Fofuras da Kah

A infância sempre (me) vai ter um cheiro muito específico. Lembro de acordar cedo logo pelas manhãs de sábado e domingo, e já me encontrar em pleno baile de máscaras. Sempre foi assim. Entre um cambaleio e outro, eu ia trocando os pedaços remendados dos sonhos que ainda estava tendo, por rodopios em meio aquele mar de cifras delicadas e o cheiro marrom e marinado do café agora moído e passado. Era quase sempre assim. Manhãs embaladas a vinis dos grandes clássicos (Mozart e Beethoven quase sempre, e Beatles e Queen quando as manhãs não amanheciam chuvosas no tempo e na alma). E claro, ao café que papai moía e passava logo por quando o sol ainda estava para deixar de iluminar a escuridão, para iluminar o dia.

Eu amava aquele cheiro. Ainda amo. Cheiro de terra perfumada que quando chove, aflora.  É engraçado, as pessoas geralmente bebem cafeína para tornarem o presente mais duradouro, quase sempre, enquanto lutam pelo futuro do amanhã. Elas bebem para compensar os sonhos mal sonhados, o tempo que não fora perdido, e para se manterem acordadas em pesadelos onde existem monstros “já crescidos”. Eu bebo para reviver o passado. Para voltar a ser criança e principalmente para sonhar acordada com o passado que já foi vivido.                                

As pessoas crescem e se esquecem. As pessoas crescem e se perdem. Mas acredite, ainda há crianças  que crescem e sobrevivem. Porque cada um de nós, em meio a uma correria ou outra, pode encontrar a felicidade em meio a uma xícara de café e outra qualquer..


Geralmente eu não sou de falar (ou comentar) muito quando compartilho meus textos por aqui. Fato! Pode reparar, quase sempre as matérias que tem conto\ou\crônica embutidos vem com meros comentários de rodapé! Vai falar que não?? E eu até  que podia seguir essa ordem hoje também. Por que não né? hahaha! Mas tenho que pedir um bilhão de desculpas por ter evaporado no final da semana. Gente não foi na maldade tá? Eu até que tinha uma programação toda bonitinha das matérias e tudo mais, mas né a vida é imprevisível, e eu acabei ficando atolada num mar de aulas do cursinho! Um bilhão de desculpas! Eu não esqueci de vocês não (juro).

Até mais ver terráqueos!

xoxo

                                                                                                🌸🌵✨

você também pode gostar

Comente via Facebook

Comentários via WordPress

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *