Fofuras da Kah

Posts marcados na categoria o que me inspira

A gente tenta, tenta, tenta e nunca dá certo. Hora de desistir? Com certeza. Desistir das reclamações, do desânimo, da falta de vontade (que a gente nem sabia que a gente tinha). Tirar esses itens do porta-malas deixa a viagem mais fácil, e sem dúvida alguma, mais leve!

Vocês sabem eu sou super sonhadora. Daquelas que precisam de uma âncora pra não sair flutuando por aí. Eu sonho acordada e trabalho enquanto durmo. É engraçado pensar que sonhar ainda faz parte da bolha em que vivemos, ou pelo menos, na que eu vivo. Mas tem hora que a gente precisa parar, precisa fazer o básico da vida, res-pi-rar!

Tem sido complexo ter que deixar o blog quase que de lado nos últimos meses. A organização que eu vinha tendo passou a ser desorganizada depois de certas marolas que as águas da vida dá, mas é uma questão de timing, tudo é. O blog é sem dúvida minha paixão, mas agora, não mais a minha prioridade. Toda minha energia deve (e está) focada no vestibular, não tem jeito, é aquela famosa fase “ou passa ou passa”.

E vai passar, eu acredito, tudo passa (até uva haha). Por isso, minhas sinceras desculpas por minha ausência. Por não estar mais compartilhando meu dia a dia com vocês como eu fazia. A menos que vocês queiram ver livros e mais livros, agora é hora de ficar um pouco reservada. Um pouco compacta no meu mundinho.

E acreditem, não é fácil. É muito estranho na verdade. Faz tempo que não fotografo, que não escrevo e que não produzo, coisas que até pouco tempo estavam na minha rotina. Mas não se enganem, eu não desisti, ou pelo menos, desisti apenas por hora. Não vejo a hora de conseguir estar outra vez nesse universo que criamos juntos. Mas por enquanto deixo vocês com matérias menos complexas, fotos descasadas e rascunhos,  definitivamente, rascunhados.

A hora certa vai chegar.  Eu, e não somente eu. Você ai  vai passar no vestibular, você vai arranjar um emprego, você vai achar o amor, ou ele vai te achar, você vai continuar, a sua hora vai chegar!

Até mais ver terráqueos! (como eu tava com saudades de digitar isso *–*)

xoxo

                                                                                                🌸🌵✨

Tem gente que quando o coração aperta ou se vê se afogando na rasa superfície da Terra, bebe ou então muitas vezes fuma, ou simplesmente acaba com a vida (de todas as maneiras “vivas possíveis”). Eu escrevo. Sempre foi assim. Ou pelo menos, sempre, desde que eu me lembre. Eu escrevo, e ponho pra fora, um pouquinho do que eu tenho aqui dentro. Sem dúvida alguma é meu maior vício, mas com certeza não o único.
Fui criada para o mundo, por um mundo de sinestesias. Desde pequena. Enxergo a vida com outros olhos. Os meus. Enquanto muita gente por ai tenta mudar, tenta se encaixar em visões muito específicas, eu, nunca fiz muita questão de deixar de ser peça de um outro quebra cabeça. Confesso, muitas vezes até tentei ser aceita, ser perfeita dentro do que era imperfeito na minha visão, mas como vocês podem imaginar. Não deu muito certo. Hoje tenho um grupo -ótimo por sinal- de amigos, daqueles de levar para o resto da vida, mas que só fiz quando parei de tentar ser aceita nos grupinhos de fumar e beber, para focar no meu grupo, o de escrever.
As vezes a gente só tá sendo a peça do quebra cabeça errado. Isso não diminui, ou deixa de quantificar o nosso valor. Mas quando o coração apertar, vale se apegar aos nossos vícios bons (e saudáveis por favor) da vida.
Como eu estava falando, eu tenho vícios. Escrever é um deles, e com certeza o mais fácil de realizar. Viajar é o segundo e talvez o não tão fácil assim da história toda. E o terceiro é arte, em todas as suas formas possíveis.
Por isso, enquanto você ai tenta ser outra peça desse mesmo quebra cabeça, tente pelo menos acender a pessoa incrível que tem dentro de você, beber uma dose de confiança, e dar um salto de esperança de que uma hora, você vai conseguir parar de quebrar a sua cabeça, tentando ser essa peça que você, definitivamente não é.

Até mais ver terráqueos!

xoxo

                                                                                                🌸🌵✨

Passei boa parte da minha vida (para não dizer quase toda ela) pensando em qual título ela levaria caso fosse um filme. Pensei em vários, e ao mesmo tempo em nenhum. Tal atividade funcionava em pensar em filmes já existentes, e tentar os correlacionar com o enredo do (meu)momento presente. Não funcionou. Nunca funcionaria. É a mesma coisa que pensar “de qual filme é essa música”. Na maior parte delas, as músicas são autorias idependentes, sem ligação cinemalesca, as quais acabamos por ligar aos longas que por mera ou total conhecidência acabam as usando.
Mas muito maior do que isso. Tentar titular com base em um dia -ou um momento- da minha vida, seria como dar nome a uma foto, ou um poster, de uma dramaturgia, muito mais complexa. Uma vez um professor (e amigo) me disse que os romances -agora creio que em ambos os sentidos- são como os filmes, e os contos como uma fotografia. E nesse processo aprendi que os filmes (vamos pensar em vídeos em geral, e como eram feitas as primeiras animações) seriam como uma coletânea de fotografias. Ambos tanto os filmes, quanto as fotografias retratam a mesma história, porém de panorâmas bem diferentes.
Por isso é impossível titular a vida, enquanto é vivida. Por isso não se dá nome a histórias de amor, até que elas terminem. As pessoas traçam e escrevem suas próprias histórias, mas dentro delas vivem outras, e mais outras, e isso é o bom da vida. Diferente do processo de uma redação, começar pelo título não está dentro de uma das nossas alternativas.
Já parou pra pensar que só se nomeia e estuda um tempo histórico, ou uma vanguarda artística depois que ele termina? Isso porque se estuda (e se nomeia) as particularidades dentro das singularidades que formam as coletividades. Por isso (e essa é uma palavra que você vai ler muito por aqui) que só agora consegui dar um nome a nossa história, a qual seria: Sentimentos legendados.

Até mais ver terráqueos!

xoxo

                                                                                                🌸🌵✨

1 2 3